segunda-feira, 8 agosto, 2022
InícioNotíciasDestaquesARTIGO: Pulsão de vida x Pulsão de morte - Por Josiane Porsch

ARTIGO: Pulsão de vida x Pulsão de morte – Por Josiane Porsch

Em sua obra, Freud menciona os conceitos de pulsão de vida e pulsão de morte, proporcionando um novo entendimento sobre o inconsciente, ampliando os estudos sobre o psiquismo humano.

No dia 1º de julho, o site O Pioneiro publicou a matéria “Um milagre e uma tragédia em Canarana”, recontando as histórias da indiazinha enterrada viva e que sobreviveu, e das crianças assassinadas pelo próprio pai, que em seguida suicidou-se. Longe de tentar explicar os motivos de tais atos, farei uma leitura breve sob o olhar da teoria psicanalítica, sobre estas duas histórias que marcaram Canarana.

LEI MAIS – Saúde Mental em Tempos de Pandemia – Por Josiane Porsch

Mas afinal o que são as pulsões? Segundo o dicionário de Psicanálise, Pulsão significa “processo dinâmico que consiste numa pressão ou força (carga energética, fator de motricidade) que faz o organismo tender para um objetivo”.

As Pulsões seriam assim, uma carga energética, um “impulso” para a ação. A pulsão de vida é a energia que procura estabelecer organizações que ajudem a proteger e preservar a vida, bem como pelas ligações amorosas que estabelecemos com o mundo, com outras pessoas e com nós mesmos.

Já a pulsão de morte pode ser representada pela energia inversa, seria manifestada pela agressividade que poderá estar voltada para si mesmo e para o outro. A pulsão de morte indica a redução por completo das atividades de um ser vivo e pode ser encontrada em diversos aspectos de nossas vidas, isso porque a destruição faz parte de tudo que é ligado à vida e precisa de um fim.

Partindo disto, podemos analisar que na história da indiazinha, a pulsão de vida está presente no organismo vivo desde a sua formação e lhe garantiu o instinto de sobrevivência durante as sete horas em que passou enterrada, bem como em sua luta pela sobrevivência durante todo o seu processo de recuperação. A pulsão de vida presente nela foi a energia vital para sua sobrevivência.

Já na história trágica do assassinato das duas crianças vemos o inverso, a pulsão de morte, que trata da finitude, da erradicação da existência assumiu o controle. Aqui a pulsão de morte manifesta-se na agressividade do pai dirigida ao outro e a ele próprio. Aqui a pulsão de morte se sobrepôs à vida.

As pulsões trabalham sempre em oposição uma à outra, porém num constante equilíbrio, quando uma vence a batalha a ação acontece.

Referência: Vocabulário da Psicanálise: Laplanche e Pontalis, 1994, Martins Fontes.

Por Josiane de O. M. Pörsch.

Psicóloga – Universidade Mackenzie (São Paulo); Pós-Graduada em Psicologia Hospitalar – ICHC-FMUSP; Pós-Graduada em Educação Especial Inclusiva – UNOPAR; Pós-Graduada em Saúde da Família – Escola de Saúde Pública do Estado do MT; Pós-Graduada em Gestão Pública – IFMT.

Coach de Emagrecimento – Profissão Coach Express e Health Coach International Institute.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.