sexta-feira, 9 dezembro, 2022
Início Futilidade do Dia CURIOSIDADE DO DIA - Qual a diferença entre poema e poesia?

CURIOSIDADE DO DIA – Qual a diferença entre poema e poesia?

No nosso período escolar, é bom comum nos depararmos com alguns estilos de textos, e entre eles certamente estão o poema e a poesia. E, ainda que muitos possam pensar o contrário, não são a mesma coisa.

Quais as diferenças entre poema e poesia?

Em linhas gerais, um poema é um texto literário que contém versos, estrofes e, algumas vezes, rima. Já a poesia, por sua vez, nem sempre precisa estar baseada em palavras, já que também aceita formatos como pinturas e esculturas, apenas para citar alguns exemplos.

Tome por base, por exemplo, a pintura A Noite Estrelada, feita por Vincent van Gogh em 1889:

(Fonte: Toda Matéria/Reprodução)

Apesar de não conter nenhuma palavra, pode ser considerada uma poesia quando observamos todo o seu contexto, além de trazer uma abrangência muito maior aos sentidos de quem a observa. Claro, uma pintura não é a única forma de encontrar esse estilo, que também pode aparecer em uma fotografia, música, arte digital e até mesmo em uma peça publicitária.

Sendo assim, qualquer categoria de criação artística que possa causar algum efeito nas sensações, sentimentos e emoções do receptor pode ser considerada uma poesia.

Jogo de palavras

Já o poema, por sua vez, precisa necessariamente das palavras para existir. Além disso, ele possui algumas divisões de acordo com a sua temática. São elas:

  • Poemas épicos: trazem a história de um herói, sendo uma epopeia um bom exemplo dessa modalidade;
  • Poema lírico: nesse tipo de texto enxergamos um aspecto mais sentimental e subjetivo;
  • Poema dramático: possuem elementos que permitem uma encenação daquilo que foi passado para o papel.

Outro ponto importante para a sua existência é o fato de ser escrito em versos, que podem ser rimados ou não. Um exemplo clássico, por exemplo, é o Soneto da fidelidade, de Vinícius de Moraes:

“De tudo, ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive): 

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.”

E aí, conhecia todas essas diferenças? Mesmo para aqueles que não estão em fase escolar ou de vestibular, é sempre bom saber e conseguir diferenciar os estilos existentes em nossa literatura.

Fonte: MegaCurioso

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.