quarta-feira, 19 janeiro, 2022
Início Notícias Destaques Juiz comenta post de moradora de Querência que xingou Judiciário em rede...

Juiz comenta post de moradora de Querência que xingou Judiciário em rede social. Caso estava solucionado há anos

QUERÊNCIA – O juiz Thalles Britto respondeu o comentário de uma moradora em uma postagem feita nas redes sociais, criticando o Fórum de Querência-MT. Ela xingou o Judiciário e alegou demora no julgamento de processos relacionados à ela e o próprio magistrado respondeu, dizendo que os casos já tinham sido julgados e solucionados há vários anos.

“Boa noite sra […]. Procuramos os seus processos e localizamos. Os dois já foram julgados há vários anos. Inclusive, no cumprimento de sentença de código já foi determinada a expedição de alvará para receber valores depositados. A senhora deve procurar o seu advogado de confiança para se informar melhor. Não precisa morrer de raiva”, disse o juiz, depois da postagem da mulher.

LEIA MAIS – Homem tenta matar irmão à facadas na madrugada desta sexta (14) em Canarana

Na postagem, feita na última quarta-feira (12), a mulher disse o seguinte: “Essa b… só vive fechada, essa miséria. Esse fórum aqui trocado por m… é pouco. Tenho causa para resolver há mais de 6 anos, e nada, nem notícia. Tenho outra causa pendente e nada. Falta morrer de raiva, mas fazer o quê né, pelo menos tem um fórum na cidade, só não resolve a minha causa”.

Ao g1, o juiz disse que ficou sabendo da postagem da mulher pela assessoria do Poder Judiciário e que decidiu responder para esclarecer a situação específica.

“Levei numa boa. A ideia é levar a informação e fazer com que a pessoa se conforte de alguma maneira. Tudo que for de atitude para aproximar a população do poder Judiciário acredito que seja vantajoso. Muitas vezes, as pessoas se indignam com algumas coisas justamente por falta de informações”, contou.

No entanto, o magistrado não esperava que o comentário tivesse tanta repercussão. Para ele, o comentário foi um simples atendimento feito pela internet.

“Atendemos pela internet e até pessoalmente. Às vezes passam pessoas na rua e perguntam de um processo e pesquisamos como está a situação. Nesse caso específico foi respondendo uma postagem, mas na forma mais tradicional, fazemos isso todos os dias”, afirmou.

Depois da repercussão, Thalles relata que outras pessoas procuraram o Poder Judiciário para saber informações de processos parados, através do WhatsApp ou telefone.

Semanalmente, o Fórum faz uma média de 75 atendimentos pelo WhatsApp, balcão e e-mail.

Por G1MT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.