sexta-feira, 12 agosto, 2022
Início Notícias Destaques Dnit acata recomendação do MPF quanto ao traçado da BR-242 dentro de...

Dnit acata recomendação do MPF quanto ao traçado da BR-242 dentro de terra indígena

CUIABÁ – Acatando recomendação do Ministério Público Federal (MPF), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – NIT/SRE-MT (Dnit) informou que vem procedendo com os trâmites necessários para se chegar a um acordo e conseguir o consentimento acerca do traçado da rodovia BR-242/MT. O Ofício de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais em Mato Grosso foi o responsável pela Recomendação 28/2019.

DNIT vem procedendo com os trâmites necessários para se chegar a um acordo e conseguir o consentimento acerca do traçado da rodovia BR-242/MT.
Traçado da BR-242 passando por Canarana; Foto -OPioneiro.

Em 2018, foi instaurado o Inquérito Civil 1.20.000.001211/2018-59 a partir de carta apresentada por lideranças indígenas das etnias Waurá e Ikepeng e representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Instituto Homem Brasileiro (IHB) e da Comissão Pró-BR242/MT, apresentando proposta para alteração do traçado da BR- 242/MT na altura do curso dos rios Batovi e Jatobá, com o objetivo de preservar áreas consideradas sagradas (Gruta de Kamukuwaká e a Pedra da Anta).

LEIA MAIS – Prefeitura instala placas nas rodovias indicando quilometragem até Canarana

Segundo a recomendação, para a viabilização das obras deve ser observada a previsão contida no art. 6º, 1, “a”, e 2, da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), quanto à consulta prévia, livre e informada com os povos indígenas interessados, bem como a previsão do art. 7º, 3, da mesma convenção, que assegura a participação da Funai e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no processo de licenciamento, para que promovam os estudos e as informações técnicas necessárias para a tomada de decisão por parte dos indígenas.

No documento encaminhado pelo Dnit, a Superintendência Regional em Mato Grosso, relatou as tratativas realizadas pela autarquia no processo de licenciamento ambiental da BR-242 junto à Funai e ao povo indígena do Xingu. Diante das informações prestadas pela Coordenação Geral do Meio Ambiente do Dnit, o órgão informou que tem tomado as providências necessárias para que as comunidades indígenas atingidas pelo empreendimento sejam consultadas e informadas previamente, bem como assegurando a participação da Funai e do Iphan no processo de licenciamento.

BR-242

Em reunião realizada entre os caciques e lideranças dos povos indígenas do Território Indígena do Xingu (TIX), foi decidido e consolidado em Carta aos Órgãos Licenciadores da BR-242, Fico, Ministério da Infraestrutura, Iphan, MPF e sociedade brasileira, de 15 de março de 2019, que a obra deve seguir a estrada que já se encontra aberta entre os municípios de Gaúcha do Norte e Canarana para depois seguir pela MT-109 até o município de Querência, evitando impactos sobre a população local. Além disso, o traçado deve se afastar da gruta do Kamukiwake e políticas de proteção do Kamukuwaká devem ser implementadas de forma consistente antes do início das obras.

O Iphan, juntamente com a Funai, deve tombar todo o complexo arqueológico de Kamukuwaká e Sagihengu, ampliando as áreas protegidas de forma a incluir todos os pontos de importância histórica para os povos do Alto Xingu que ficaram de fora do TIX, formando corredores ecológicos ao longo dos rios Batovi e Culuene.

Controle Social

Como forma de se garantir o devido controle, o Ofício de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais determinou a divulgação do acatamento da recomendação. Caso o Dnit descumpra, o fato pode ser comunicado ao MPF por meio da Sala de Atendimento ao Cidadão (SAC).

Assessoria de Comunicação MPF.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.