domingo, 2 junho, 2024
Início Notícias Destaques MT gera 40,1 mil empregos no 1º semestre; obras do Estado tiveram...

MT gera 40,1 mil empregos no 1º semestre; obras do Estado tiveram impacto nas contratações

Com a maior taxa de crescimento do país, Mato Grosso gerou 40.119 novos empregos no primeiro semestre de 2023, resultando numa variação positiva de 4,81% em relação ao mesmo período de 2022. Os dados foram compilados pelo Observatório de Desenvolvimento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). Seguido de MT com maior percentual de aumento de vagas, estão Goiás (4,25%), Roraima (4,21%), Mato Grosso do Sul (4,17%) e Piauí (4,02%).

O setor de serviços liderou as contratações com 16.225 vagas, seguido pela agropecuária (8.347), construção civil (6.275), indústria (5.792) e comércio (3.480).

“Na comparação com o primeiro semestre de 2022, o setor de construção civil cresceu 14,8%, muito estimulado pelas construções de rodovias, ferrovias e obras urbanas que movimentou mais de 50% dos empregos gerados no setor. Todos esses investimentos realizados pela gestão do govenador Mauro Mendes em construção de escolas, retomada das obras da BR-163, rodovias estaduais, hospitais tem refletido na geração de emprego e renda”, destacou o secretário adjunto de Agronegócios e Investimentos, Anderson Lombardi.

Christiano Antonucci/Secom-MT

Dentro do setor da construção civil, destaca-se a construção de rodovias e ferrovias, que gerou 55,52% de empregos a mais no 1º semestre de 2023 em relação a 2022. O estoque de empregos neste setor era de 4.906 nos primeiros seis meses do ano passado saltou para 7.630 neste ano. Em seguida há o crescimento das obras de urbanização – ruas, praças e calçadas (53,39%); obras de arte especiais – pontes e viadutos (29,71%); obras de terraplanagem (25,28%) e construção de edifícios (11,52%).

A mão de obra contratada com carteira assinada tem perfil jovem. Cerca de 42% dos empregos foram para pessoas de 18 a 24 anos, 67% dos trabalhadores empregados possuem o ensino médio completo, 33% são trabalhadores da produção de bens e serviços industriais. Além disso, 71,6% dos contratados são homens e 28,4% são mulheres.

Alguns setores demitiram mais que contrataram, como a locação de mão de obra temporária, serviços de preparação de terreno, serviços de controle de pragas agrícolas, fabricação de medicamentos de uso veterinário e apoio a extração mineral.

“Depende muito da visão sobre isso, pois houve migração dessa mão de obra. O serviço de preparação de terreno e de locação de mão de obra caiu porque as construções foram para outras fases e muitos passaram a assinar a carteira. No caso do controle das pragas agrícolas, os produtores passaram a utilizar medidas mais sustentáveis no controle de pragas com o uso de bioinsumos. Já em relação a fabricação de medicamentos de uso veterinário, pode ser reflexo da não obrigação de vacinação contra febre aftosa no estado, por estar livre da doença, tanto quanto dos baixos casos de brucelose”, explicou o coordenador do Observatório do Desenvolvimento, Vinicius Hideki Bispo.

Por Débora Siqueira | Sedec-MT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.