segunda-feira, 4 dezembro, 2023
Início Notícias Destaques PJC recupera R$ 25 mil subtraídos em fraudes eletrônicas de vitimas de...

PJC recupera R$ 25 mil subtraídos em fraudes eletrônicas de vitimas de Canarana e outras três cidades de MT

    A Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos(DRCI), da Polícia Civil de Mato Grosso, recuperou na última semana, R$ 25 mil, em apoio a diligências investigativas de delegacias do interior, para apurar fraudes eletrônicas contra vítimas nas cidades de Sinop, Canarana, Tangará da Serra e Cuiabá.

    Em Tangará da Serra, um jovem de 19 anos foi vítima de um golpista, ao ver o anúncio de uma motocicleta e iniciar a negociação de compra. O golpista se passou por funcionário do Detran da cidade, disse que o veículo estaria no pátio do órgão e que o proprietário não tinha mais interesse. A vítima fez o pagamento de R$ 3.200,00 e depois não conseguiu mais conta com o golpista.

    Foto: Reprodução

    Na cidade de Canarana, uma vítima relatou à Polícia Civil que viu a venda de uma motocicleta modelo Honda CB 300,pelo Facebook. Ela informou que a pessoa com quem estava negociando dizia ser dono da moto, mas, somente depois que realizou o pagamento no valor de R$ 5 mil, descobriu se tratar de um golpe do falso intermediador de vendas.

    No norte do estado, um jovem de 23 anos também foi vítima da mesma fraude. Ele viu o anúncio de um veículo e entrou e contato com o anunciante, que afirmou ser o proprietário do carro, mas que quem iria mostrá-lo era sua prima.

    A vítima veio da cidade de Sata Carmem até Sinop para ver o veículo e depois fez duas transferências totalizando 3 mil reais para conta informada pelo anunciante.

    Ao perguntar à proprietária sobre o carro, a vítima percebeu que era um golpe, pois o nome era diferente do comprovante de transferência.

    Em Cuiabá, um golpista entrou com a vítima e disse que tinha um veículo modelo Ônix, que era de um primo, para venda. O suspeito o encontro para os supostos comprador e vendedor ver o carro, em um cartório de Cuiabá.

    A vítima pensando se tratar de uma compra comum de um carro e ao receber a informação de que estava tudo certo, pediu para que seu sócio fizesse o pagamento, que foi realizado em duas transferências por Pix.

    Todos os golpes são apurados pelas delegacias das cidades onde residem as vítimas.

    Por Assessoria/PJC-MT.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.