segunda-feira, 15 abril, 2024
23.6 C
Canarana
Início Futilidade do Dia Por que nos esquecemos das coisas? - Futilidade do dia

Por que nos esquecemos das coisas? – Futilidade do dia

Muitas pessoas conseguem reter muita informação e se lembrar facilmente da maioria das coisas do cotidiano. Contudo, ainda assim as vezes esquecemos de algo que acabou de acontecer. Mas porque será que isso acontece?

O nosso cérebro guarda apenas o que julgamos importante (mesmo as vezes a gente não fazendo ideia do porquê de cada memória). Conforme nós ficamos mais atentos, concentrados e como algo nos afeta emocionalmente, nosso cérebro entende que isso precisa ser guardado. Além disso, muitos hábitos podem influenciar na retenção de informações. Por exemplo, quem ingere bebida alcoólica, não se alimenta bem ou é sedentário, tende a ter maior dificuldade para armazenar informações.

Por que nos esquecemos das coisas?
Foto: Reprodução Revista Galileu.

A psicologia cognitiva define que nós possuímos dois tipos de memória, a de curto-prazo e a de longo-prazo. A primeira nós utilizamos no dia-a-dia e a segunda guarda as experiências e aprendizados para a vida toda, mas que nem sempre são nítidos. Assim, quando esquecemos algo recente é porque nós nos distraímos e o nosso cérebro entendeu que ele deveria começar a processar a nova informação. Um cientista cognitivo chamado Tom Stafford, definiu como “Efeito Porta” quando deixamos de prestar atenção aos detalhes e imaginamos o todo. Quando fazemos isso, muitas vezes nos esquecemos de pequenas ações que podem interferir em todo o processo. 

Memórias Falsas

Mas além de esquecer as coisas, ficamos reféns de criar memórias falsas. Estudos apontam que a forma como somos indagados sobre alguma coisa, pode fazer com que criemos memórias falsas. Por exemplo, quando alguém nos mostra uma imagem conosco e conta o que aconteceu e nós não lembramos, nós criamos uma memória a partir do que o outro relatou. Contudo, isso não é fácil para nós identificarmos.

Fonte: TriCurioso; Revista Galileu; TJDFT; e, Gaúcha ZH.

Por Vitória Kehl Araujo, do OPioneiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.