sexta-feira, 9 dezembro, 2022
Início Notícias Destaques Antes de construir calçada, canaranense deve se ater às normas

Antes de construir calçada, canaranense deve se ater às normas

CANARANA – A construção de calçada nos chamados “passeios públicos” segue uma série de normativas que servem para garantir o trânsito de pedestres e ainda, estar de acordo com práticas prévias frente a adequação dos espaços, tornando-os acessíveis a pessoas com deficiência.

A construção de calçada nos chamados “passeios públicos” segue uma série de normativas que servem para garantir o trânsito de pedestres.
Calçada em frente ao Sicredi; Foto – OP.

Em tempo de pandemia, muitos moradores estão aproveitando o período de isolamento em casa e aproveitando para realizar obras e reformas nas residências. A pavimentação das calçadas está sendo a opção de muitos. O Pioneiro, portanto, fez um levantamento junto à Secretaria de Obras de Canarana para entender quais são os normativos municipais para a construção de calçadas. 

Conforme o Código de Posturas do município, na sua última versão de 2003, é obrigatório e responsabilidade do proprietário do terreno, a construção e manutenção do passeio público. O Código traz uma série de normas sobre o uso e construção do passeio público, sendo que logo no seu artigo 21, já salienta que é proibido o rebaixamento do meio fio, com exceção para entrada de veículo.

O Código ainda explana que em terrenos próximos à esquinas, é obrigatória a construção de rampa (1,5mx1m) para passagem de deficientes físicos. Já quanto aos materiais utilizados para construção das calçadas, o código veda o uso de ladrilhos (cerâmicas) esmaltados lisos. No caso do morador querer usar grama no passeio, o código também traz normativos sobre isso.

O passeio público não pode ser gramado em sua totalidade, sendo possível apenas de até 50% da largura, desde que seja junto ao meio fio. Ainda, a faixa restante pavimentada não pode ser menor de 1,25 m para garantir a acessibilidade. No artigo 28, o código evidencia ainda que é proibido depositar nos passeios públicos, qualquer tipo de mercadorias, cartazes, objetos, placas, etc, sob pena de apreensão dos bens e pagamento dos custos de remoção.

Ainda, o código salienta que é proibido estacionar veículos nos passeios. Já para o depósito de mobiliário urbano (lixeiras, árvores, postes), deve ser alocado próximos ao meio fio, ocupando no máximo 30% da largura do passeio, limitado à 1 metro.

Há ainda no município, o Código de Obras, também de 2003, que também traz em seu artigo 87, normas para passeios públicos, com uma diferença. O Código evidencia que o município pode intimar os proprietários a consertar sua calçada. Não cumprido, o município realizará o serviço, cobrando do proprietário as despesas totais, acrescido do valor da multa correspondente. 

Por OPioneiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.