sexta-feira, 9 dezembro, 2022
Início Notícias Policial Bandidos adotam máscaras e dificultam trabalho da Polícia

Bandidos adotam máscaras e dificultam trabalho da Polícia

CUIABÁ – Criminosos estão se aproveitando do momento de pandemia causada pelo coronavírus para praticar assaltos utilizando máscaras de proteção, conforme o delegado titular da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), Fabiano Pitoscia.

Ao menos dois assaltos e um homicídio foram registrados nos últimos dias em Mato Grosso em que os bandidos utilizavam esta nova modalidade de esconder a identidade. No dia 23 de março, dois ladrões armados foram flagrados por câmeras de segurança durante roubo a uma drogaria no Bairro Pico do Amor, em Cuiabá.

Já no dia 16 de abril, um casal de bandidos invadiu e roubou uma das lojas da rede Martinello, no Bairro Duque de Caxias, em Cuiabá. Gleidison Leite Sampaio, de 39 anos, foi encontrado morto, com sinais de tortura, na semana passada, dentro do quarto de um hotel em Santo Antonio de Leverger-MT.

Em todos estes casos os autores dos crimes utilizavam máscaras de proteção contra o coronavírus. “Eles estão aproveitando a oportunidade do uso para poder assaltar. Antes colocava uma camiseta, um pano, utilizava outros meios para esconder a face.

Agora se passam por uma pessoa comum usando a máscara”, afirma o delegado. De acordo com Pitoscia, os criminosos se passam por clientes de máscaras ao entrarem no estabelecimento e, de repente, anunciam o assalto. “Eles entram no estabelecimento comercial como se fossem cidadãos comuns já que o uso obrigatório das máscaras está para todos.

Conforme o delegado, o uso da máscara de proteção dificulta o trabalho de identificação pela Polícia, mas ele afirma que a corporação possui ferramentas para chegar ao suspeito. Ele ainda lamenta que não tem opções para inibir o uso de máscara pelos criminosos, pois a pandemia exige a proteção. “Se fosse um tempo de normalidade, o uso da máscara estaria vinculado tão somente ao bandido. Um cara cobrindo o rosto para não ser identificado. Mas hoje estamos vivendo um período de exceção e o uso é obrigatório”.

Por Bianca Fujimori/MidiaNews; Foto – Reprodução.